Escola e família são parceiras de estudantes na busca da profissão

Os processos seletivos feitos a partir da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são voltados para os alunos no Ensino Médio, principalmente os concluintes que desejam entrar na universidade. Este ano, os candidatos da faixa etária até 18 anos correspondem a mais de 43% do total de inscritos para a prova. E uma das tarefas da escola e da família, nessa fase, é ajudar aos jovens a decidir qual será o curso e refletir sobre essa escolha profissional.

O Colégio GGE está preparado para orientar na escolha profissional dos alunos, por meio de um projeto que apresenta as inúmeras opções. “Fazemos a orientação vocacional, com a equipe de psicopedagogia, com atendimentos em grupo. Também trazemos profissionais de várias áreas para conversarem com as turmas e falarem de suas experiências”, diz o gestor pedagógico dos Ensinos Fundamental 2 e Médio da instituição, Tayguara Velozo.

Embora esteja lidando com uma geração “nativa digital”, Tayguara diz que são ainda as profissões tradicionais – Medicina, Engenharias e Direito – que têm a maior procura, por uma questão cultural. Mesmo assim, o gestor comenta que o dinamismo e rapidez de hoje já modificam o perfil profissional e do mercado. “A profissão de hoje não necessariamente é a profissão de amanhã. E cada vez mais a gente tem visto o profissional que tem mais de uma profissão. Antes, era feita uma escolha e, em geral, era aquele caminho que você ia seguir a vida toda. Hoje, isso não existe mais. Acontece de você ter a sua profissão por um tempo, e isso mudar; ou você fazer um misto com outra profissão”, detalha.

Preparação Gradativa

A partir do 1° ano do Ensino Médio, os alunos GGE já estão completamente voltados para o Enem. A preparação, que começa ainda no 6° ano do Fundamental 2, ganhando foco específico para resultar no ingresso na universidade.

A estratégia de começar cedo a preparação para as provas dá resultados práticos: o GGE é a escola com maior aprovação do Sistema Seriado de Avaliação (SSA), da Universidade de Pernambuco (UPE)“Com a preparação no 1° ano, o aluno larga na frente. E se ele consegue se sair bem na primeira prova, a tendência é que ele continue em uma média de crescimento razoável”, explica Tayguara Velozo, reforçando que 80% do conteúdo cobrado pelo Enem é visto até o 2° ano do Ensino Médio.

E se o aluno almeja um curso concorrido, como Medicina, ou o ingresso no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), o GGE oferece turmas específicas desde o 1° ano. “Medicina se tornou um vestibular tão concorrido que a gente criou turmas específicas para que a sala fique um pouco mais homogênea. Desde o 1° ano, essa turma tem carga horária diferenciada, programa de laboratório e visitas às universidades”, acrescenta Tayguara.

Com relação ao 3° ano, o GGE trabalha com uma grade distinta e materiais exclusivos. Entram em julho com um caderno de questões do SSA para ser feito durante as férias; na volta, recebem outro caderno específico para o Enem, reforçando o treino indispensável para alcançar um bom resultado.

Fonte: Vestibular NE1o.

Aproveite e veja também

0 respostas

Deixe uma Resposta

Deseja deixar seu comentário?
Comente e participe! Sua opinião é muito importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.