Isolamento é oportunidade de se aproximar dos filhos

Estar em casa 24h por dia, 7 dias por semana e por tempo indeterminado é um cenário jamais imaginado por qualquer indivíduo. Mas, essa é a realidade imposta devido ao enfrentamento ao novo Coronavírus. Com isso, adultos tiveram que ajustar a rotina e dinâmica de trabalho transformando a casa em escritório e dividindo as atividades domésticas com as institucionais. A vida dos filhos também se transformou. As aulas presenciais foram suspensas e a dinâmica das aulas online se tornou a realidade. Porém, o cuidado com o emocional também se faz muito necessário neste momento.

O isolamento social se torna uma oportunidade de aproximação das famílias. Conhecer o seu filho em sua complexidade de sentimentos é a principal arma para ajudar a combater e prevenir qualquer desregulação emocional que possa estar acontecendo. “Mudanças de comportamento para mais ou para menos é um sinal que é necessário conversar, reajustar a rotina e seguir. Essa complexidade é muito importante para garantir o conforto das crianças e adolescentes“, orienta a gestora pedagógica da unidade GGE Boa Viagem, Nayana Paiva.

Antes de tudo, é preciso pensar que o estudante vai precisar ter uma rotina em casa. Essa rotina precisa ser composta por um planejamento do conteúdo de estudo e, ainda, exercícios físicos, horários de lazer com atividades simples como, por exemplo, escrever, ouvir músicas, desenhar, pintar… Realizar algo que traga prazer para o dia a dia é um fator que auxilia no rendimento dos estudos.

Dentro da rotina da casa, é importante que pais e filhos possam conversar, dialogar e compartilhar momentos em família, como assistir uma série juntos, um filme, fazer alguma receita, ter momentos de trocas de ideias.

Momentos assim dão sustentabilidade, força aos alunos que estão vivenciando longos períodos em casa. É claro que podem ocorrer casos de estresse ou ansiedade, tão comuns neste momento, mas é importante que sejam criados esses momentos de fala, de expressão de emoção“, afirma a psicóloga do Ensino Médio da unidade GGE Boa Viagem, Thaís Oliveira.

Manter uma rotina ajuda e muito na regulação do emocional. Neste ponto, a psicóloga do Ensino Fundamental da unidade GGE Benfica, Liliane Nascimento, explica que é preciso priorizar o autocuidado, que neste caso é composto por seis pontos:

  • Uma boa noite de sono;

  • Beber bastante água;

  • Cuidar do corpo;

  • Autorregulação;

    (identificar, nomear e distinguir suas emoções de forma clara, assim como se restabelecer através de estratégias reguladoras, como a respiração);

  • Ler algo que lhe faça bem;

  • Divertir-se.

A atividade física e o costume do diálogo familiar são imprescindíveis neste momento em que todos estão em casa“, explica Liliane.

Dar nome aos sentimentos é um ponto importante para auxiliar as crianças. É importante que a família ajude a criança a identificar e nomear suas emoções para que ela tenha consciência emocional e, a partir daí, ajudá-la a buscar estratégias para lidar com suas emoções. “Não exagere nas cobranças com as crianças, é um período difícil, precisamos criar uma atmosfera de segurança, previsibilidade, união e empatia para poderem enfrentar juntos esse momento”, ressalta a psicóloga do Ensino Fundamental 1 do Colégio GGE, Maeli Ramos.

A saúde mental é fundamental para enfrentarmos tempos desafiadores como esse que estamos vivendo. É importante estar mais próximo, tendo momentos em família, compartilhando experiências, conversando e entendendo os sentimentos, dúvidas e anseios da família como um todo. Estar junto é muito mais do que estar ao lado e o isolamento é um ótimo momento de praticar isso.

Notícias Relacionadas

0 respostas

Deixe uma Resposta

Deseja deixar seu comentário?
Comente e participe! Sua opinião é muito importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.